Pular para o conteúdo principal

Depois do eurocentrismo, o cariocentrismo...


Confesso que não sou um resoluto assistente de telenovelas muito embora nossa cultura esteja impregnada de tal modo que nos torna praticamente sabedores de algum trecho novelístico do momento. Pelo menos, mesmo que não assista, nomes de novelas e de alguns personagens sorrateiramente penetram em meu cotidiano, em certos momentos em minhas conversas do dia-a-dia me transformando num assistente ainda que superficial. Procuro não me aprofundar propositadamente pois sei dos riscos que essas sereias, filhas de Terpsícore, chamadas novelas exercem sobre o simples telespectador, tal qual Odisseu em sua aventura ao passsar pela ilha delas. Do pouco que vejo, percebo algo que me deixa intrigado nessa emissora tão onipresente no nosso país que é a Globo: por que cargas d'água as tramas, diria que em sua esmagadora maioria, só acontecem no Rio de Janeiro e em alguns pouquíssimos momentos em São Paulo? Um aficcionado por tevê, ou melhor, por telenovelas, certamente irá me corrigir e poderá bradar "Ei! Mas tivemos uma novela ano passado ambientalizada em outro país!". É verdade, mas ainda assim havia um "pezinho" no Rio de Janeiro. Ou seja, sempre existe alguma coisa acontecendo no Rio de Janeiro. Seria então uma política da empresa? Um desejo secreto de todos os dirigentes? Ou porque a onipresente Globo possui sua base lá no Rio de Janeiro e por isso lhe seria mais "cômodo" transmitir a cultura que ela vivencia? Não que eu tenha nada contra os cariocas ou os paulistas, pelo contrário, admiro-os enquanto culturas marcantes e que nos completa enquanto nação brasileira, o que procuro chamar a atenção é que a onipresente Globo não prefere reconhecer essa imensidão que se chama nação brasileira e que por sua vez deveria retratar mais em sua programação porém engole arbitrariamente as demais culturas e povos da nossa nação acreditando que a única que pode representar nosso país é a cultura carioca. - o "cariocentrismo". Por que me interessaria, por exemplo, preocupar-me com o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro se em minha cultura a nossa festa maior é o São João, por exemplo? Por que me preocupar com o campeonato carioca ou o paulista se meu estado também possui um campeonato embora não seja valorizado - isso já é um outro problema que aqui não caberia espaço para comentar. Seria mais proveitoso preocupar-me com meus problemas e não com os dos outros já que vivemos num mundo que está buscando valorizar os micro-universos em comparação aos macros, talvez um efeito dessa coisa contemporânea chamada mundialização - ou globalização para o hemisfério norte. A televisão é uma concessão pública que deveria refletir os desejos do povo ou dos muitos povos que convivem no nosso país, assim dizem os especialistas que tenho lido e escutado, só que mais parece um desejo de um único grupo empresarial que impõe seus desejos, seus caprichos goela abaixo para um povo passivo diante desse deus onipresente. -  seria isso então o tão falado "padrão Globo de qualidade"? Chega a ser um abuso basear sua programação em um único ou dois estados que acreditam ser importantes deixando de lado tantas outras culturas, tantos outros povos, como se todo o restante tivesse a obrigação de seguir ou refletir os mesmos padrões e costumes impostos por uma minoria autoritária que manda e desmanda na programação da tevê brasileira, reconhecendo, obviamente, o poder que a televisão exerce sobre o ser humano. Talvez não seja mais o momento de nos questionarmos se estamos sendo influenciados pelas culturas advindas de fora do país, mas sim por uma única cultura imposta através de um meio de comunicação tentando nos transformar em iguais ainda que simbióticos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um professor pode usar um jaleco branco?

Essa semana fui acometido por uma imagem no mínimo intrigante: um professor vestido num jaleco branco. Devo admitir que há muito vira uma imagem desse tipo, mas a associava sempre a algo antigo, ultrapassado, que professor ou escola alguma jamais utilizasse mais tal indumentária.

Conversei com alguns colegas de trabalho sobre o acontecido e fui surpreendido por um comentário que me fez questionar meu "pré-conceito". O comentário versava sobre o fato de que, segundo esse colega, todo professor deveria usar essa roupa pois ela impõe respeito diante dos alunos. Achei esse comentário estranho, pois jamais passou pela minha cabeça que um professor dependesse de uma roupa para conseguir respeito entre seus alunos.

Ao refletir sobre o assunto em questão, recordei-me de minhas aulas de sociologia na universidade onde meu estimado professor falava sobre o papel que a indumentária pode exercer sobre as pessoas numa dada sociedade. Citou o exemplo do médico e em seguida do advogado em qu…

O problema da democracia

A democracia, é notório para muitos de seus defensores, é uma das melhores formas de governo que o ser humano pode gozar em sua história. Repleta de vantagens, de benesses, é de fato uma das formas de governo mais aprimorada para lidar com o ser humano em sociedade e seus anseios de liberdade. Mas hoje em dia mais se assemelha a um discurso envelhecido manejado pela velha burguesia que tenta impor mais uma vez goela abaixo suas sutis formas de dominação, alienação e controle - aliás, e quando de fato ela deixou de sê-lo? Apesar de ela ser a melhor forma de governo para lidar com o próprio ser humano em coletividade, ainda assim traz consigo algumas mazelas cancerígenas e que muito provavelmente irão demorar para extinguir-se, pelo menos por aqui, nas paragens tupiniquins.


A democracia manifesta como uma de suas mazelas cancerígenas, o que parece até um paradoxo, a diversidade de opiniões. Calma, não estou aqui afirmando que sou contra a diversidade de opiniões, mas por permitir uma d…

O MUNDO DA APARÊNCIA OU DA TITULAÇÃO

Ao preparar uma aula sobre Platão para os alunos do EJA (Educação de Jovens e Adultos) aqui no município onde trabalho, deparei-me novamente com os conceitos e aspectos que identificam a filosofia platônica e pude então refazer minha perspectiva a respeito de sua filosofia e o impacto dela nos dias de hoje. Ao realizar isso, pude perceber, mais uma vez, o porquê de este filósofo grego ser tratado como referência, como base, como clássico de fato na tradição filosófica ocidental.

Obviamente que não farei aqui uma interpretação aprofundada, rebuscada, acadêmica sobre este fantástico filósofo. No muito, inclusive como é próprio da proposta deste blogue, farei minhas inserções de cunho meramente "filosofante" neste post para que o leigo possa compreender o papel que a filosofia, em especial a filosofia platônica, pode auxiliar o ser humano na busca de sentido da nossa realidade tão mascarada, tão escondida e tão enviesada de ideologias dominantes. Obviamente também que a propos…