Pular para o conteúdo principal

A Palavra do Senhor

 
Apareceu em minha casa um grupo de evangélicos. Todos muito bem vestidos, bem alinhados. Dois deles, um casal, escolheram-me para propagar o que aprenderam sobre a Bíblia em sua religião e os demais se espalharam que nem pardais em busca de comida pela rua onde moro. Muito simpáticos, dão bom dia e me perguntam se podem perguntar – tão educados... Consinto afirmativamente e aguardo a "pérola" lançada. Óbvio que sou no mínimo suspeito para elogiar alguma religião, sobretudo a cristã, já que minha formação acadêmica desvencilhou-me dos grilhões morais desse fenômeno tão inerente à condição humana. Fora graças à filosofia que consegui libertar-me das amarras para mim agora pseudo-morais e que só me levaram a um estádio de plenitude falseada para não dizer fantasiosa. Mas eis que o casal me questiona se já houvera lido a Bíblia. Como sempre, respondi que não por inteira, mas pelo menos o Novo Testamento tive a oportunidade de lê-lo. Em seguida eles me soltam outra "pérola" ainda mais valiosa que a primeira: - O senhor sabe que o mundo está caminhando para o final? Confesso que fui tomado por certa surpresa ao ouvir da boca de um "crente" tal afirmação tão negativista ou apocalíptica. Novamente consenti que sim, e que inclusive não era de agora que o "mundo está caminhando para o seu final". Empolguei-me. Comecei então a explicar que tal sentimento de destruição ou fim do mundo não vem de agora, mas que era algo que desde a Idade Média já existia. Estava parecendo que eu ia dar uma breve aula aos assustados "crentes" quando de repente eles me interrompem e perguntam se eu queria ser salvo. Fiquei atônito. O que responder para essas pessoas? Que forma de salvação ele estava se referindo? Será que estava evidente que meu espírito decadente suplicava por salvação?... – Basta que o senhor freqüente nossa igreja aos sábados e comece a abrir os seus olhos para Jesus... Não agüentei e rebati: - E porque só a igreja de vocês é que poderá me salvar? Notei que fiz uma pergunta desconcertante. O casal se entreolha, talvez perdidos, até que ela diz: - porque a nossa é a melhor! Essa frase ecoou na minha mente durante meses, anos – é tanto que mais ou menos sete anos depois estou escrevendo sobre ela! – e ainda ecoa. "Porque a nossa é a melhor". Como se a igreja deles fosse um remédio que pudesse ser comprado numa farmácia por uma simples indicação do farmacêutico. A afirmação sem dúvida alguma foi muito profunda. Quer dizer que esse tempo todo da história da humanidade, todas as demais religiões, fora a deles obviamente, estão perdidas ou são "piores", tudo "porque a nossa é a melhor"... Dei um riso sarcástico para os dois e o outro ainda emendou: - o senhor pode começar seu caminho para salvação adquirindo nossa revista por apenas dois reais. Não agüentei. Soltei uma gargalhada e eles tentaram me seguir na risada sem saber ao certo o que estavam rindo...

Comentários

  1. kkkkkkkkkkk, tenho tido desses confrontos esse ano mais do que os outros. A galera está em campo meu fío... quanto mais ignorância viceje a televisão, mais ela será o puro retrato da VERDADE, e argumento para os de fraco intelecto.

    É o que se me parece, estudando os preceitos da Comunicação Social, que o mito da caverna de Platão se transmorfoseia para o viés digital. Exemplos:

    Na história do rádio e da tv, houve na igreja quem fosse contrário ao seu uso. Recomendavam aos fiéis que deles se afastassem. Até que com o tempo foram também se transformando em instrumentos do Senhor. Com a internet foi a mesma coisa. Grande mercado alimentado pela ignorância humana esse o da religião.

    Que tal se saíssemos de porta em porta, assim, bem vestidos e alinhados pregando... A NÃO RELIGIÃO???!!!!!!!! Seríamos precursores... e logo depois queimados em praça pública. hehehe.

    Abs, A

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa, meu caro Tex!!! Quanto ao seu convite, dependo sumariamente do tempo, kkkkkkkk... Mas a ideia é válida sim. Vamos amadurecê-la.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Um professor pode usar um jaleco branco?

Essa semana fui acometido por uma imagem no mínimo intrigante: um professor vestido num jaleco branco. Devo admitir que há muito vira uma imagem desse tipo, mas a associava sempre a algo antigo, ultrapassado, que professor ou escola alguma jamais utilizasse mais tal indumentária.

Conversei com alguns colegas de trabalho sobre o acontecido e fui surpreendido por um comentário que me fez questionar meu "pré-conceito". O comentário versava sobre o fato de que, segundo esse colega, todo professor deveria usar essa roupa pois ela impõe respeito diante dos alunos. Achei esse comentário estranho, pois jamais passou pela minha cabeça que um professor dependesse de uma roupa para conseguir respeito entre seus alunos.

Ao refletir sobre o assunto em questão, recordei-me de minhas aulas de sociologia na universidade onde meu estimado professor falava sobre o papel que a indumentária pode exercer sobre as pessoas numa dada sociedade. Citou o exemplo do médico e em seguida do advogado em qu…

O problema da democracia

A democracia, é notório para muitos de seus defensores, é uma das melhores formas de governo que o ser humano pode gozar em sua história. Repleta de vantagens, de benesses, é de fato uma das formas de governo mais aprimorada para lidar com o ser humano em sociedade e seus anseios de liberdade. Mas hoje em dia mais se assemelha a um discurso envelhecido manejado pela velha burguesia que tenta impor mais uma vez goela abaixo suas sutis formas de dominação, alienação e controle - aliás, e quando de fato ela deixou de sê-lo? Apesar de ela ser a melhor forma de governo para lidar com o próprio ser humano em coletividade, ainda assim traz consigo algumas mazelas cancerígenas e que muito provavelmente irão demorar para extinguir-se, pelo menos por aqui, nas paragens tupiniquins.


A democracia manifesta como uma de suas mazelas cancerígenas, o que parece até um paradoxo, a diversidade de opiniões. Calma, não estou aqui afirmando que sou contra a diversidade de opiniões, mas por permitir uma d…

O MUNDO DA APARÊNCIA OU DA TITULAÇÃO

Ao preparar uma aula sobre Platão para os alunos do EJA (Educação de Jovens e Adultos) aqui no município onde trabalho, deparei-me novamente com os conceitos e aspectos que identificam a filosofia platônica e pude então refazer minha perspectiva a respeito de sua filosofia e o impacto dela nos dias de hoje. Ao realizar isso, pude perceber, mais uma vez, o porquê de este filósofo grego ser tratado como referência, como base, como clássico de fato na tradição filosófica ocidental.

Obviamente que não farei aqui uma interpretação aprofundada, rebuscada, acadêmica sobre este fantástico filósofo. No muito, inclusive como é próprio da proposta deste blogue, farei minhas inserções de cunho meramente "filosofante" neste post para que o leigo possa compreender o papel que a filosofia, em especial a filosofia platônica, pode auxiliar o ser humano na busca de sentido da nossa realidade tão mascarada, tão escondida e tão enviesada de ideologias dominantes. Obviamente também que a propos…